Sábado, 22 de Abril de 2006
O Movimento Modernista em Portugal
O Movimento Modernista em Portugal: Uma Síntese de Tendências


Irradiação e Implantação do Modernismo

    • Em inícios do século XX, em Portugal, a produção literária e plástica era ainda profundamente marcada pelo classicismo racionalista e naturalista, em manifestações apáticas e decadentes, que evidenciavam forte resistência à inovação. Ao monótono e decadente rotativismo político correspondia uma não menos monótona e decadente produção intelectual. Os interesses materiais dos burgueses sobrepunham-se aos interesses culturais, condicionando a liberdade de expressão.

    • A partir de certo momento, grupos de intelectuais portugueses organizaram-se em círculos de contestação da velha ordem e iniciam-se no recurso a estratégias provocatórias e na resposta, por vezes desabrida, às formas políticas e culturais conservadoras e reaccionárias à modernidade. - É o modernismo, enquanto movimento estético e literário de ruptura com o marasmo intelectual, que irrompe em Portugal em uníssono com a arte e a literatura mais avançadas da Europa, sem prejuizo, todavia, da originalidade nacional.

    • Foram lançadas revistas, organizadas exposições e conferências, sob iniciativa privada, num esforço de autonomia relativamente aos apoios estatais, através das quais as novas opções culturais eram demonstradas e divulgadas. No entanto, o baixo nível de alfabetização da população portuguesa e o conservadorismo dos meios urbanos, onde as novidades intelectuais têm maior presença, não proporcionaram abundância de público interessado nos novos eventos culturais


O Modernismo na Literatura


O modernismo na literatura foi praticado por duas gerações de intelectuais ligados a duas publicações literárias: um primeiro modernismo surgido em 1915, em torno da revista Orpheu; um segundo modernismo organizado em 1927, em torno da revista Presença.

Ainda antes destas, surgiram em Portugal revistas que propunham diferentes soluções estéticas e políticas para recuperar o atraso português a este nível, como a Nação Portuguesa, de feição conservadora, e a Seara Nova, de tendências mais progressistas e democráticas. Nesta revista colaboraram investigadores como o historiador Jaime Cortesão, António Sérgio e os escritores Aquilino Ribeiro e Raul Brandão.


O Primeiro Modernismo – a Revista Orpheu

    • Os únicos dois números desta revista, lançados em Março e Junho de 1915, marcaram a introdução do modernismo em Portugal.

    • Tratava-se de uma revista onde Mário de Sá-Carneiro, Almada Negreiros e Fernando Pessoa, entre outros intelectuais de menor vulto, subordinados às novas formas e aos novos temas, publicaram os seus primeiros poemas de intervenção na contestação da velha ordem literária.

    • O primeiro número provocou o escândalo e a troça dos críticos, conforme era desejo dos autores. O segundo número, que já incluiu também pinturas futuristas de Santa-Rita Pintor, suscitou as mesmas reacções. Perante o insucesso financeiro, a revista teve de «fechar portas».

    • No entanto, não se desfez o movimento organizado em torno da publicação. Pelo contrário, reforçou-se com a adesão de novos criadores e passou a desenvolver intensa actividade na denúncia inconformista da crise de consciência intelectual disfarçada pela mediocridade académica e provinciana da produção literária instalada na cultura portuguesa desde o fim da geração de 70, de que Júlio Dantas (alvo do Manifesto Anti-Dantas, de Almada) constituia um bom exemplo.


O Segundo Modernismo – a revista Presença

    • A revista Presença, ou «folha de arte e crítica», foi fundada em 1927, em Coimbra, por Branquinho da Fonseca, João Gaspar Simões e José Régio. Não obstante ter passado tempos difíceis, não só financeira como intelectualmente, foi publicada até 1940.

    • O movimento que surgiu em torno desta publicação inseriu-se intelectualmente na linha de pensamento e intervenção iniciada com o movimento Orpheu, que acabou por integrar. Continuou a luta pela crítica livre contra o academismo literário e, inspirados na psicanálise de Freud, os seus intelectuais bateram-se pelo primado do individual sobre o colectivo, do psicológico sobre o social, da intuição sobre a razão.

    • Além da produção nacional, a presença divulgou também textos de escritores europeus, sobretudo franceses.

    • Escritores do Segundo Modernismo: Miguel Torga, Adolfo Casais Monteiro, Aquilino Ribeiro, Ferreira de Castro, Vitorino Nemésio, Pedro Homem de Mello, Tomás de Figueiredo e Eça Leal.

O Realismo Social Português

    • Jovens estudantes de Coimbra adoptam o cambativismo da Geração de 70, cujo socialismo utópico denunciam e iniciam-se no combate à opressão, inspirados pelo socialismo marxista. É nesta conjuntura que surgem em Portugal os primeiros cultores do neo-realismo ou realismo social, claramente em ruptura com o individualismo e intelectualismo psicológico do movimento Presença.

    • Ferreira de Castro, nos seus romances Emigrantes e A Selva, introduz a análise de problemas de natureza social, trata as populações que emigram, que se empregam e desempregam.

    • Alves Redol, Soeiro Pereira Gomes, Manuel da Fonseca, Álvaro Cunhal, Mário Dionísio, Gomes Ferreira, entre outros, continuam a tratar os problemas, as tristezas e as misérias do povo laborioso esmagado pela ganância de uma minoria de representantes do capital, adaptando à realidade nacional o rigor formal e temático dos escritores neo-realistas europeus.


O Modernismo nas Artes Plásticas


Irradiação e Implantação:

    • O movimento ficou conhecido em Portugal a partir de duas exposições: a primeira, em 1915, ocorreu no Porto, tendo sido chamada de «Humoristas e Modernistas»; as segundas, em 1916, em Lisboa e no Porto, de Amadeu de Souza-Cardoso.

    • O país, que entrara no século agarrado a uma pintura naturalista e romântica em que artistas como José Malhoa eram a referência, reagiu violentamente ao movimento. A nova estética internacional, desconhecida no país, estava a ser mostrada por artístas que tinham estado em Paris.


A 1ª Geração de Paris (1911)

    • 1ª Geração Modernista: ocorreu com o regresso à pátria de artistas como Dórdio Gomes e Santa-Rita Pintor. Seguiram-se os do 2º grupo modernista (cerca de 1914). Este segundo grupo era constituído pelos artistas que regressaram de Paris com a eclosão da Grande Guerra (Diogo de Macedo, Eduardo Viana, Amadeo de Souza-Cardoso). Estiveram ligados ao grupo do Orpheu.

    • Até à morte de Santa-Rita Pintor e de Amadeo de Souza-Cardoso (vítimas da pneumónica em 1918), a renovação da pintura portuguesa centrou-se nestes artistas e ainda nos grupos ligados ao Orpheu.

    • O mais notável representante desta geração foi Amadeo de Souza-Cardoso, que, inicialmente influenciado por Cézanne, evoluiu para um cubismo misturado com todas as tendências com que contactou.


    • Alguns aspectos relevantes de pintores portugueses da «1ª geração de Paris»:

        • Eduardo Viana:

1. Influências de Cézanne e do Fauvismo

2. Influências do casal Delaunay com os círculos órficos, cores vibrantes.

        • Amadeu de Souza-Cardoso:

1. Experimentação e exploração de várias correntes (naturalismo, impressionismo, expressionismo, cubismo, futurismo...)

      1. Influências e contactos com Modigliani, Brancusi, Picasso, Braque, os Delaunay

      2. Pintou reinterpretando e reinventando a realidade.

      3. Geometrizou as formas, usou de cores vibrantes, decompôs as imagens à maneira cubista, pintou círculos de cor, máscaras de influência etnográfica.

      4. Usou colagens, areia, pasta de óleo... inseriu letras.

      5. Estilhaçou e decompôs a imagem em múltiplas partes esclarecedoras do significado e complementares entre si.

      6. Não tornou fácil a sua classificação em qualquer corrente artística.

      7. A sua obra foi esquecida durante muito tempo até Vieira da Silva o reabilitar.

      8. Morreu demasiado cedo para uma obra tão promissora.

        • Santa-Rita Pintor:

    1. Diplomado com 18 valores pela Escola de Belas-Artes de Lisboa. Partiu em 1910 para Paris como bolseiro.

    2. Em 1917 participou, com especial papel de orientador-agitador, na sessão futurista do Teatro da República e foi um dos responsáveis pela publicação do número único de Portugal Futurista, apreendido à saída da tipografia, onde saíram 4 reproduções de quadros seus.

    3. Morreu em 1918 determinando que toda a sua obra fosse destruída, o que a família cumpriu.

    4. As obras reproduzidas em Orpheu introduzem no modernismo dos anos 10 uma dimensão poética imaginativa inédita, tal como as do Portugal Futurista, entre as quais «Perspectiva Dinâmica de um Quadro ao Acordar» caracteriza um vector de Futurismo.

    5. A «Cabeça» constitui uma interessante tentativa de dinamização interna pela sua estrutura significante, que não tem paralelo na pintura nacional contemporânea.

A 2ª Geração de Paris (a partir da década de 20)

    • Foi constituída pelos artistas portugueses que regressaram a Paris depois da guerra (devido à ausência de público em Portugal), nos anos 20, e em que se destacaram Dórdio Gomes, Abel Manta, Mário Eloy, Diogo de Macedo, os irmãos Franco e Almada Negreiros, entre outros.

    • Fizeram diversas exposições divulgando a nova estética internacional.

    • A arte foi muito prejudicada a partir de 1935 com as limitações impostas pela censura e pelo Secretariado de Propaganda Nacional, que organizava as mostras, promovia os artistas, impunha temas e estética e levou ao exílio de muitos.

    • As décadas de 30 e 40 foram marcadas pela propaganda do regime salazarista com a Exposição do Mundo Português. António Ferro, homem do governo de salazar mas inteligente e moderno, chamou diversos artistas para o trabalho com o Estado na preparação da Exposição (1940) que envolveu diversos projectos arquitectónicos e artísticos e desenvolveu um estilo de cariz nacionalista.

    • Alguns aspectos relevantes de pintores portugueses da «2ª geração de Paris»:

        • Almada Negreiros:

      1. Foi o maior representante do grupo pela sua genial produção expressa em diversas formas artísticas (pintura, desenho, vitral, tapeçaria) (Maternidade) não apenas plásticas mas também literária (poesia, romance, ensaio, crítica) e bailado.

      2. Depois de ser influenciado pelas correntes do seu tempo e pela arte nova, experimentou o futurismo.

      3. Participou na criação das revistas Orpheu e Portugal Futurista.

      4. Foi um dos introdutores do modernismo em Portugal.

      5. Foi autor apreciado por António Ferro, sendo por isso contratado para numerosas obras do Estado. Entre essas destacam-se os frescos de Gara Marítima de Alcântara que evocavam com colorido geometrismo a história de Portugal nas memórias que cada viajante transporta.

      6. Não foi um artista enquadrado em qualquer movimento artístico nem político, tendo mantido uma atitude de marginalidade.

        • Abel Manta: também começou por ser influenciado por Cézanne, mas, posteriormente, criou um estilo pessoal em que o intimismo e o retrato se destacaram (Jogo de Damas).

        • Grande número de artistas procuraram sobreviver ligando-se a manifestações gráficas, a revistas e cartazes de carácter publicitário como Stuart Carvalhais.

    • A partir dos anos 30 destacou-se Maria Helena Vieira da Silva, pintora radicada em Paris que se tornou um dos expoentes do abstraccionismo. Ali realizou a sua primeira exposição individual (A Rua à Noite; Atelier, Lisbonne e A Guerra). Embora tenha sido pouco reconhecida em Portugal e a sua arte tivesse estado mais ligada aos movimento internacionais que ao movimento artístico português, não deixou de reflectir nas suas telas, num quadriculado que evocou os azulejos portugueses, as referências ao seu país.

    • Por alturas da 2ª Guerra Mundial, fez-se a primeira exposição de surrealismo em Portugal. O surrealismo e o neo-realismo dominaram durante anos as tendências artísticas nacionais. Destacaram-se como surrealistas Mário Cesariny, Moniz Pereira, Fernando de Azevedo e Marcelino Vespeira e como neo-realistas António Dacosta e António Pedro (intervenção romântica).


O Modernismo na Arquitectura

    • A arquitectura não registou grandes desenvolvimentos neste período. As dificuldades políticas vividas durante a 1ª Repùblica, a que se juntavam as dificuldades económicas e financeiras, não propiciaram os empreendimentos arquitectónicos, normalmente dispendiosos. Por conseguinte, o pouco que se construiu permaneceu fechado à inovação e revela a persistência dos esquemas arquitectónicos clássicos.

    • Só no final dos anos 20 e sobretudo durante o Estado Novo é que se notam algumas preocupações em conjugar formas do modernismo europeu com o nacionalismo salazarista. O pavilhão da Exposição do Mundo Português, de Cotinelli Telmo, entretanto demolido, e a Igreja de Nossa Senhora de Fátima, em Lisboa, de Pardal Monteiro, com vitrais de Almada Negreiros e um friso na entrada de Francisco Franco, constituem as manifestações mais importantes do modernismo arquitectónico português.

    • No Porto, alguns arquitectos, como Morais Soares e Cunha Leão, iniciaram um movimento de renovação a caminho da modernidade que teria o seu impulso mais dinâmico na obra de Carlos Ramos, quando este esteve à frente da Escola de Belas-Artes de capital do Norte.

    • No início da década de 50, este movimento de renovação viria a ser marcado pelas obras do arquitecto Siza Vieira.

O Modernismo na Escultura

    • Paralelamente com a arquitectura, a escultura também não atingiu desenvolvimento importante nos inícios do século.

    • Só durante o Estado Novo se desenvolveu uma escultura de feição nacionalista, pouco aberta à modernidade.

    • Principais escultores da primeira metade do século: Francisco Franco, Canto da Maia, Leopoldo de Almeida, Lagoa Henriques, Gustavo Bastos, Alvaro de Brée e Barata Feyo.


Subject:

publicado por Ana Silva Martins às 16:30
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Outubro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Outubro 2006

Setembro 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Subject

todas as tags

favorito

Renovação: Que papel para...

O Jogo do Ouro Negro

A Poluição das Palavras

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds